SAMPLE:Poesia Selecionada de Tenzin Tsundue


Copyright © 2021 Tenzin Tsundue
Todos os direitos reservados.
this sample is licensed and open under CC BY 4.0
ISBN: 978-65-00-21952-4
people tree publishing
digipub@digipub.me https://digipub.me
Tradutora: Gisele Wolkoff
Imagem capa: Rebecca Erickson

3
Sumário


Horizonte ... 5

Cumprimento de Losar ... 7

Um Reconhecimento Pessoal ... 9

Anos de Desespero ... 11

A Minha Tibetanidade ... 13

Refugiado ... 15

Barra de espaço – Uma Proposta ... 17

Um Tibetano em Mumbai ... 19

“Estou farto...” ... 23

Traição ... 25

Sou um Terrorista ... 27

Quando chove em Dharamsala ... 31

A Flauta de Pedro ... 35

A Casa do Exílio ... 37

4
Contents


Horizon ... 6

Losar Greeting ... 8

A Personal Reconnaissance ... 10

Desperate Age ... 12

My Tibetanness ... 14

Refugee ... 16

Space-bar
The Tibetan in Mumbai ... 18

‘I am tired...’ ... 24

Betrayal ... 26

I Am A Terrorist ... 29

When it Rains in Dharamsala ... 33

Pedro’s Flute ... 36

Exile House ... 38

31
QUANDO CHOVE EM DHARAMSHALA


Quando chove em Dharamshala
as gotas da chuva usam luvas de boxe,
milhares delas
desabam
e atingem meu quarto.
Sob o seu telhado de lata
meu quarto chora por dentro
e molha minha cama, meus trabalhos.

Por vezes, a hábil chuva vem
por trás do quarto
e as pérfidas paredes levantam
os seus calcanhares, permitindo
uma pequena inundação em meu quarto.

Sento-me na cama, uma nação-ilha,
e observo o meu país em enchente,
notas sobre liberdade,
memórias dos meus dias na prisão,
cartas de amigos da faculdade,
migalhas de pão
e miojo
surgem `a superfície
vivamente
feito rápida recuperação
de uma memória esquecida.

Três meses de tortura,
monção nos pinheiros ponteagudos
O Himalaia limpo, de tão enxuto,
brilha ao sol do fim do dia.

Até que a chuva dá uma trégua
e pára de arrasar o meu quarto

32

Preciso consolar o meu teto de lata
que tem estado em serviço
pelo Raj britânico.
Este quarto abrigou
muitos sem-teto.

Agora, capturado por mangustos
e ratos, lagartos e aranhas,
e parcialmente por mim alugado.
Um quarto alugado porque o lar
é uma existência despretensiosa.

A proprietária, da Cashmira,
Aos oitenta, não consegue voltar para casa.
Frequentemente, debatemo-nos por beleza:
a Cashmira ou o Tibete.

Toda noite
volto ao meu quarto alugado,
mas não vou acabar deste jeito.
Deve haver alguma
outra saída para isso.
Não posso chorar como o meu quarto
já chorei o suficiente
em prisões e
em breves momentos de desespero

Deve haver alguma
outra saída para isso.
Não posso chorar
o meu quarto já está molhado o suficiente.


audio: YouTube "vitaminadepoesia" https://www.youtube.com/watch?v=JNXg9IiwJHM


33
WHEN IT RAINS IN DHARAMSALA


When it rains in Dharamsala
raindrops wear boxing gloves,
thousands of them
come crashing down
and beat my room.
Under its tin roof
my room cries from inside
and wets my bed, my papers.

Sometimes the clever rain comes
from behind my room,
the treacherous walls lift
their heels and allow
a small flood into my room.

I sit on my island-nation bed
and watch my country in flood,
notes on freedom,
memoirs of my prison days,
letters from college friends,
crumbs of bread
and Maggi noodles
rise sprightly to the surface
like a sudden recovery
of a forgotten memory.

Three months of torture,
monsoon in the needle-leafed pines
Himalaya rinsed clean
glistens in the evening sun.

Until the rain calms down
and stops beating my room

34

I need to console my tin roof
who has been on duty
from the British Raj.
This room has sheltered
many homeless people.

Now captured by mongooses
and mice, lizards and spiders,
and partly rented by me.
A rented room for home
is a humbling existence.

My Kashmiri landlady
at eighty cannot return home.
We often compete for beauty
Kashmir or Tibet.

Every evening
I return to my rented room.
But I am not going to die this way.
There has got to be
some way out of here.
I cannot cry like my room.
I have cried enough
in prisons and
in small moments of despair.

There has got to be
some way out of here.
I cannot cry,
my room is wet enough.


40
autor:

Tenzin Tsundue

Tenzin Tsundue é um poeta, ensaísta e ativista tibetano exilado. Ele ganhou o primeiro Prêmio Outlook-Picador de não-ficção em 2001. Publicou quatro livros que foram traduzidos para várias línguas: Crossing the Border (1999), Kora (2002), Semshook (2007) e Tsen-göl (2012). Em 2002, a edição indiana da revista de moda internacional Elle nomeou-o entre as 50 pessoas mais elegantes da Índia. Tsundue vive em Dharamshala, no norte da Índia.


tradutora:

Gisele Wolkoff

Gisele Giandoni Wolkoff is professor at the Federal Fluminense University in the city of Volta Redonda, Rio de Janeiro. Author of three books of poetry, she has also organized and translated anthologies such as Poem-ing Beyond Borders: ten contemporary Irish and Portuguese women poets (Coimbra: Palimage, 2011) and American Plural Voices (Curitiba:CRV, 2015). She currently coordinates the project Cultura e Artes no sul-fluminense: memória & história, funded by FAPERJ.


SAMPLE:Poesia Selecionada de Tenzin Tsundue
Tenzin Tsundue
traduzido por Gisele Wolkoff
2021
Copyright © 2021 Tenzin Tsundue
Todos os direitos reservados.
ISBN: 978-65-00-21952-4
46 p.
people tree publishing
digipub@digipub.me https://digipub.me
Imagem capa: Rebecca Erickson

43



For Android users:
Please download "Google Fonts" if you want see this book
in Selif style.
We recommend Chrome/Safari/Firefox/
(maybe Samsung browser)
to see this eBook.

"SAMPLE:Poesia Selecionada de Tenzin Tsundue" was edited and
published digitally by people tree publishing in 2021.

ptp platform manual

JavaScript etc. code in this eBook lcensed under CC0 except content text etc.
https://creativecommons.org/publicdomain/zero/1.0/legalcode